“É preciso ‘produzir cidade’ na Baixada”, defende economista

Os últimos anos mostraram aos moradores de cidades da Baixada que a economia importa. Da pior forma possível. Salários de servidores atrasados, materiais e medicamentos em falta nas unidades de saúde e desemprego alarmante pesaram nas costas dos cidadãos. A palavra “crise” virou figura comum no vocabulário de gestores públicos para justificar falhas nos serviços públicos. Tamanho pesadelo poderia ser menos traumático se a Baixada tivesse mais atividades produtivas e, consequentemente, mais empregos e renda. Para o economista Henrique Rabelo, faltam iniciativas que estimulem os negócios por aqui.

Obras de estádio candidato a CT das Olimpíadas viram criadouro do Aedes

O que poderia ser um polo esportivo para as Olimpíadas acabou virando uma maternidade... para o Aedes aegypti. As obras do Estádio Municipal de Queimados, na Baixada Fluminense, começaram em 2010 e deveriam ter acabado em 2012, a tempo para que fosse candidato a ser um centro de treinamento das Olimpíadas. Mas o que se vê hoje no canteiro são grandes poças de água parada, cercadas pelo maquinário ocioso. No entorno, há pilhas de lixo. A placa com informações da obra já não está mais lá. O Ministério do Esporte liberou R$ 494 mil para a primeira fase da construção. Após problemas com a documentação, a prefeitura foi obrigada a devolver R$ 590 mil (R$ 390 mil da verba e R$ 200 mil de juros da poupança) em 2014. De acordo com o portal de convênios do governo federal, a construtora Hydra já embolsou mais de R$ 180 mil.

Vices dão dor de cabeça a presidentes, desde Café Filho-Getúlio até Temer-Dilma

Nas últimas décadas, vices, mesmo da mesma chapa, fizeram críticas e até oposição ao governo. Em 92, antes de Collor renunciar, Itamar divulgou projetos para o Brasil Um vice-presidente nunca é da oposição. Pelo menos oficialmente. No entanto, na recente história brasileira, nem sempre o ocupante do cargo mais próximo da Presidência se comportou da maneira esperada pelo titular. De acusações de conspiração a rompimentos não-oficiais, presidentes do Brasil já foram criticados e até sabotados por

Desemprego em alta pode ser duradouro, dizem economistas

O início do segundo semestre é, tradicionalmente, o momento de recuo dos índices de desemprego, mesmo em anos difíceis. Em 2009, quando a economia sentia os efeitos da crise financeira global, a taxa chegou a 8,9% em abril, mas começou a cair em maio e encerrou o ano em 6,8%. Em 2003, o indicador subiu por seis meses seguidos, atingiu 13% em junho, para recuar levemente em julho e fechar o mês de dezembro em 10,9%. Em 2015, contudo, o país vive um momento sem precedentes, dizem economistas

Mal na foto

"Você é do PT, né?". Armado de fúria, o homem - um sujeito "alto e forte" - parou o seu carrinho em frente ao do vereador Babá (PSOL-RJ), num supermercado da Tijuca, e ficou aguardando a resposta... Babá, que em 1981 entrou no Partido dos Trabalhadores e, 28 anos depois, já no PSOL, provocaria polêmica ao queimar uma bandeira de Israel, respirou fundo e explicou que tinha sido expulso do PT em 2003 "por votar contra a Reforma da Previdência". Conseguiu há dois meses, ali no supermercado, apaziguar os ânimos.

Aumento da conta de luz eleva inadimplência

A pequena Juliane, de 1 ano e 9 meses, nasceu com um problema nos pés. Desde o primeiro mês de vida, ela tem as perninhas engessadas, o que a faz transpirar demais. Para tentar dar o mínimo de conforto à menina, a família investiu num ar-condicionado, mas o aparelho acabou se tornando o vilão da conta de luz. Para não deixar de pagar a fatura mensal, os familiares mudaram seus hábitos, como têm feito milhares de brasileiros, desde janeiro. Mas, ao contrário dos parentes de Juliane, nem todos têm conseguido vencer a briga com o marcador de consumo. A alta de quase 50% na tarifa de energia elétrica fez o número de cortes de fornecimento por falta de pagamento subir 42%, entre clientes da Light, considerando março deste ano, em relação a igual mês de 2014.

Só um terço das escolas bate meta no município do Rio

A educação do Rio tem motivos para comemorar, mas com ressalvas. O resultado do IDERio 2014 (Índice de Desenvolvimento da Educação), divulgado na sexta-feira pela Secretaria municipal de Educação, revela que houve uma melhora nas notas das escolas em relação ao ano anterior: 78% das instituições do primeiro segmento (1º ao 5º ano) e 75% do segundo (entre o 6º e o 9º) avançaram. No entanto, apenas 32,8% — 311 de um total de 1026 escolas — bateram a meta estabelecida pela prefeitura.

Desfiles de moda elevam autoestima e dão independência a pessoas com deficiência em Queimados

As pedras portuguesas da Praça Nossa Senhora da Conceição não impedem a pequena Valentina, de 5 anos, de se deslocar em sua cadeira de rodas. Nos últimos dois anos, a timidez da menina logo deu lugar à independência e hoje ela é modelo de passarela. É que incluir está na moda em Queimados. Desfiles protagonizados por pessoas com deficiência e idosos levam alegria aos manequins e arrecadam doações para institui

Conhecido nas ruas da Urca pela gentileza, agente da Guarda Municipal colhe elogios de moradores

Em 1565, os portugueses se apropriaram do território que hoje corresponde à Urca. Quatrocentos e cinquenta anos depois, o bairro é reconquistado por um descendente dos antigos donos da terra. Neto de indígenas, o guarda municipal Mauro Fonseca Nogueira, o Bigode, virou uma figura onipresente na região onde nasceu a cidade. E procura zelar, de um jeito peculiar, pelo bairro. A ponto de despertar, entre os moradores e frequentadores do local, uma imensa popularidade. O segredo, segundo ele, é simples: educação e presteza.
Load More Articles
Close